Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Texto Crú

Texto Crú

Frases desfeitas

por Paulo Vinhal, em 23.10.16

hands_man_struggle_fists_bandage_2794_1920x1080.jp

 

As palavras do agora recaem distraídas e poderosas no jogo do palato e das gengivas de ferro. Desenrolam-me as frases desfeitas na ausência. Estou consciência e treino iniciado no ritmo fincado na pele. Que reconhecimento este, que liberdade. Nas mãos geladas mantenho todas estas divisões, toda esta terra.

Elemento da voz

por Paulo Vinhal, em 18.10.16

12417546_890003717775038_1971984549252336925_n.jpg

 

Por baixo dos pés o solo adormecido da mente, os aros gelados dos catres queimados. Nas ênfases da minha língua o deus da pobreza. O som do piano ouve-se distintamente através das paredes. Estás aí, minha querida? Eu estou aqui com as chagas elétricas e na cegueira leitosa deste momento reconheço a tua voz no elemento da voz.

No centro de tudo

por Paulo Vinhal, em 14.10.16

12799275_600807560074301_4384049721153701779_n.jpg

 

Na gaveta do meio guardo todas as nossas coisas. Os campos que lês, os laços que abro, as veias dormentes, a luz da lareira. No meio dos sonhos contados guardo os sons e o frio dos ossos. A pele que liberta a lição. O tempo entretido na dor. A roupa espalhada no chão. No centro de tudo esqueço o momento. Relembro apenas o prisma na sala de aula, a levitar na escuridão.

Homem crú

por Paulo Vinhal, em 09.10.16

ghvbhjbnmb.jpg

 

Tornado à cave como um animal o teu coração rasteja pela penumbra. É o deus das borboletas que enche toda a escuridão, é o sumo dos ossos. Ouço-o no ranger das calhas e nos carreiros secos. Homem cru, a alva traceja. Larga os trapos, some sereno. Eu espero sempre nas esquinas atento ao mundo.

Pensamento

por Paulo Vinhal, em 08.10.16

typewriter-1138667_960_720.jpg

 

É secreto este pensamento aberto de par em par. Nestas mãos que macias alisam o calor do outono. Neste outono em que alegre cantas de cadáver limpo. Neste chão onde sulcado sonho estas cartas de amor. 

Aqui estás tu

por Paulo Vinhal, em 03.10.16

cabana.jpg 

O caminho de terra batida, ladeado de ervas altas e de pequenos troncos de canas e catos, leva-me até ao cimo de um dos pequenos morros das terras do meu pai. O transe do arvoredo e a respiração lenta da folhagem em redor da casa entranham-se no mundo e na voz. O vento sussurra no pânico dos vivos que cantam no cemitério contíguo e o meu olhar, trajado de desilusão e artes, percorre as lágrimas dos mortos junto aos carreiros e aos esgotos. Aqui estás tu neste caminho antigo. Aqui estás tu dentro dos meus braços. Levo comigo o pesado andor dos teus passos lentos e os leves pesadelos da voz que sussurra… aqui estás tu.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D