Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Texto Crú

Texto Crú

Homem degradado

por Paulo Vinhal, em 28.11.16

15078555_1053628571412551_8842339410488886198_n.jp

 

 

Através do vazio atendo o elevar dos sons vocais da manhã gravados nas cepas conjuntas do homem degradado.

Derrotas densas

por Paulo Vinhal, em 24.11.16

Sem Título2.png

 

Sonha bicho carcomido, reage à lança. Cá dentro, neste sonho de mundos entregas pó e sombras. Comes as palavras frias nos cunhos da pedra. Raias suplente as orlas das muralhas. Estacas as bandeiras das derrotas densas. E cravo a cravo, alambique e trono, leve distraído linhas e diapasão, estão os teus resgates, os teus ossos frios, a aurora da noite e as horas marcadas.

Evasão

por Paulo Vinhal, em 22.11.16

14324102_682499835238406_6547762616295302874_o.jpg

 

Evasão serena este despertar de marujo e esta sabedoria endócrina. Um apontamento, um interior em branco, uma amizade pura. Agrilhoados ao éter levantais ferros, vejo-vos partir destas cadeiras de pedra, deste mundo a dois. Voa sustento nas ondas e trabalho nos braços. Vogam névoas brancas e vagas a metros e metros e metros. Soa a voz invisível no fundo da terra.

Nauta

por Paulo Vinhal, em 15.11.16

12651059_850858145022929_3111515698926917059_n.jpg

 

Os braços profundos do amor abrem alas através do aglomerado do cosmos. São pedra, são sal e vida. Nauta resgato-te os ossos e a carne emersos na memória dos dias destes caminhos quânticos.

Em voz de chão

por Paulo Vinhal, em 13.11.16

1f58b7a4011cd85b56d56e00eb121ece.jpg

 

A ervaria entrelaçada pelo pátio dá aos travões de granito um aspeto agradável. Nos ranhos da manhã declamo com o coração entretido a contar momentos em voz de chão. Na aura nívea dos tormentos dos textos a pobreza da terra, no encanto da guerra das mãos estes homens quebrados, no limo dos poros da carne o rumor das marés.

Criador e criado

por Paulo Vinhal, em 05.11.16

Slavery-Today.jpg

 

Isoladas no Senhor e na Terra estas mãos ganham trabalho aqui perto num mundo escondido. Sou eu que no sono-vida da razão me faço criador e criado, luz realidade e sombra. Só na tua compreensão aberta meu amor deponho as minhas armas, só neste trabalho ganho me crio criado.

Lentidão da escrita

por Paulo Vinhal, em 02.11.16

1467208_805570802884997_5798840043103213702_n_2.jp

 

Do núcleo desta arte magra emanam os sentidos noturnos e as trovas assimétricas recuadas no semi-tempo das horas enquanto recupero na lentidão da escrita e gesticulo com as mãos sujas de letras.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D